quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Desejo,amor e apego


 Como distinguir entre o amor verdadeiro e o apego  possessivo?O amor altruísta pode ser comparado ao som  puro que vem de um copo de cristal,e o apego ao dedo que, ao tocar a beira do copo,abafa esse som. Reconhecemos  desde o princípio que a ideia de uma mor desprovido de apego  é relativamente estranha à sensibilidade ocidental.Ser  desapegado não significa que amamos menos a pessoa,mas  que não estamos centrados no amor por nós mesmos nos  escondendo no amor que dizemos sentir pelo outro.O amor  altruísta é a alegria de compartilhar da vida daqueles que  estão à nossa volta – os nosso familiares,os nossos amigos,os  nossos companheiros,a nossa esposa ou o nosso marido – e contribuir para a felicidade deles.Amamos o outro por aquilo que ele é e não através da lente distorcida do egocentrismo.Em vez de ficarmos apegados ao outro,temos que ter em mente a felicidade dele;em vez de esperar que ele nos traga alguma gratificação,podemos receber o seu amor recíproco com alegria.


E depois podemos ir ampliando e estendendo esse amor.É preciso ser capaz de amar todas as pessoas incondicionalmente.Amar um inimigo – isso é pedir demais?Esse empreendimento pode parecer impossível, mas baseia-se em uma observação muito simples:a de que todos os seres,sem exceção,querem evitar o sofrimento e conhecer a felicidade.O amor altruísta genuíno é o desejo de que isso possa se realizar.Se o amor que oferecemos depende do modo como somos tratados,nunca seremos capazes de amar o nosso inimigo.No entanto,é certamente possível ter a esperança de que ele pare de sofrer e seja feliz!


Como conciliar esse amor incondicional e imparcial com o fato de que temos na nossa existência relações preferenciais com certas pessoas?Tomemos o sol como exemplo.Ele brilha para todos,com o mesmo calor e a mesma claridade,em todas as direções.Mas há seres que, por diversas razões,se encontram mais perto dele e que,por isso,recebem mais calor.Mas em nenhum momento essa situação privilegiada é uma exclusão. Apesar das limitações inerentes a qualquer metáfora,compreendemos que é possível gerar em si mesmo uma bondade a partir da qual chegamos a olhar para todos os seres como se fossem pais,mães,irmãos,irmãs ou filhos.No Nepal,por exemplo,chamamos qualquer mulher mais velha do que nós de “grande irmã”,e a mulher mais nova,de “pequena irmã”.Essa bondade aberta,altruísta e atenciosa,longe de diminuir o amor que sentimos por aqueles que nos são mais próximos,só o faz aumentar,aprofundar-se e ficar ainda mais belo.


 É claro que temos que ser realistas – concretamente é impossível manifestar da mesma maneira a nossa afeição e o nosso amor por todos os seres vivos.É normal que os efeitos do nosso amor envolvam mais determinadas pessoas do que outras.No entanto,não há razão para que uma relação especial que temos com um amigo ou um companheiro limite o amor e a compaixão que sentimos por todas as pessoas.A essa limitação,quando surge,damos o nome deapego.O apego é nocivo na medida em que,sem propósito algum, restringe o campo de ação do amor altruísta.É como se o sol deixasse de brilhar em todas as direções e se reduzisse a um estreito feixe de luz.O apego é fonte de sofrimento porque o amor egoísta se bate contra as barreiras que ele mesmo levantou.A verdade é que o desejo possessivo e exclusivista,a obsessão e o ciúme só têm sentido no universo fechado do apego.O amor altruísta é a mais expressão da natureza humana, quando essa natureza não é viciada,obscurecida e distorcida pelas manipulações do ego.O amor altruísta abre uma porta interior que torna inoperante o sentimento de importância de si mesmo e,portanto,também o medo desaparece.Ele nos permite dar alegremente e receber com gratidão.


(fonte:www.budavirtual.com.br)

Fraternos Abraços

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Grata pelo contato.
Responderei brevemente.
Fraternos Abraços