quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Do desejo à obsessão

O desejo obsessivo que costuma acompanhar o amor apaixonado deturpa a afeição,a ternura e a alegria de apreciar e compartilhar a vida com alguém.Ele é o oposto do amor altruísta.Surge de um egocentrismo doentio que acarinha a si mesmo no outro ou,ainda pior,busca construir a própria felicidade às expensas do outro.Esse tipo de desejo só quer se apropriar das pessoas,dos objetos e das situações que o atraem para ter controle.Considera a atração como uma característica inerente àquela pessoa,cujas qualidades ele amplia,enquanto subestima os defeitos.“O desejo embeleza os objetos sobre os quais pousa as suas asas de fogo”,ressaltou Anatole France.

O desejo obsessivo é reflexo da intensidade e da frequência das imagens mentais que o desencadeiam. Como um disco riscado,fica repetindo o mesmo leitmotiv.É uma polarização do universo mental,uma perda de fluidez,que prejudica a liberdade interior.Alain escreveu: “Este amante desprezado,que se contorce sobre a cama em vez de dormir e que medita sobre vinganças terríveis.O que sobraria da sua ferida se ele não pensasse mais sobre o passado e sobre o futuro?Este ambicioso,ferido no coração por um fracasso,onde procurará ele sua dor,senão em um passado que ressuscita e em um futuro que inventa?” 

  Essas obsessões tornam-se muito dolorosas quando não são atendidas e vão ficando cada vez mais fortes quando o são.O universo da obsessão é um mundo onde a urgência se vincula à impotência.Somos pegos por uma engrenagem de tendências e pulsões que conferem à obsessão um caráter lancinante.Outra de suas características é a insatisfação fundamental que ela suscita.Ela não conhece a alegria e muito menos a plenitude ou a realização.Não poderia ser de outra maneira,já que aquele que é vítima da obsessão insiste em buscar alívio exatamente naquelas situações que são as causas do seu tormento.O dependente de drogas reforça a sua dependência,o alcoólatra bebe até chegar ao delírio,o amante desprezado olha para a foto da sua amada o dia todo.A obsessão gera um estado de sofrimento crônico e de ansiedade,aos quais se somam,por sua vez,o desejo e a repulsa,a insaciabilidade e a exaustão.Na verdade,ela é um adendo às causas do sofrimento.

 Estudos indicam que diferentes regiões do cérebro e diferentes circuitos neurais estão em ação quando “queremos” alguma coisa e quando “gostamos” dela.Isso nos ajuda a compreender pelo qual,quando nos acostumamos a sentir certos desejos,tornamo-nos dependentes deles – continuamos a sentir a necessidade de satisfazê-los mesmo quando já não gostamos do sentimento que provocam.Chegamos ao ponto de desejar sem gostar,desejar sem amar.No entanto,podemos querer ser livres da obsessão,que machuca porque nos compele a desejar aquilo que não nos agrada mais.Podemos,também,amar alguma coisa ou alguém sem necessidade desejá-los.


(fonte:www.budavirtual.com.br)

Amor,Luz e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Grata pelo contato.
Responderei brevemente.
Fraternos Abraços